Câncer em crianças: quais são os tipos mais comuns?

A leucemia é o tipo mais comum que câncer infantil, correspondendo a 34% dos casos. Saiba mais!

O câncer em crianças é a segunda principal causa de mortes em menores de 15 anos, ficando atrás apenas dos acidentes. A doença não é mais letal nessa faixa etária, no entanto, o diagnóstico tardio está entre os principais responsáveis para a ausência de tratamento e piora do quadro.

Entre as crianças é muito comum que o câncer não seja diagnosticado devido os sintomas da condição serem confundidos com ocorrências comuns na infância, como doenças recorrentes e hematomas.

Portanto, a informação para os pais e profissionais da saúde é importante para viabilizar um diagnóstico precoce e aumentar as chances de sucesso no tratamento.

Quais os principais tipos de câncer em crianças?

Conhecer os tipos mais comuns de câncer em crianças é importante para monitorar indícios nos pequenos que ajudem a detectar a patologia o mais precocemente possível. A seguir, conheça as principais ocorrências.

Leucemia Linfocítica (ou linfoide) Aguda

O câncer infantil mais frequente é a LLA, correspondendo a 34% dos casos. Ele é mais comum em crianças entre 2 e 4 anos e, normalmente, acomete mais os meninos do que as meninas.

Nessa patologia, a leucemia tem início na medula óssea e posteriormente se espalha para o sangue, atingindo os órgãos no estágio mais avançado. Entre os sintomas da condição estão: dores nos ossos e articulações, fadiga, fraqueza, sangramento (gengivas e nariz) e febre.

médica fazendo perguntas para menina doente

Tumores cerebrais

Os tumores cerebrais e também os do Sistema Nervoso Central correspondem a mais de 37% das ocorrências de câncer em crianças, no entanto, existem mais de 100 tipos de tumores do cérebro. A maior parte deles tem origem nas células gliais, sendo chamados de glioma.

A classificação do tumor cerebral acontece de acordo com a velocidade de desenvolvimento da doença, sendo o menor grau o câncer menos agressivo e o de maior grau o mais agressivo.

Leia também – Ressonância magnética: quais os tipos, o que ela identifica e quando é indicada

Neuroblastoma

O neuroblastoma representa 7% dos casos de câncer infantil e, em geral, origina-se nas células imaturas de bebês e crianças, o que faz com que atinja menores de 5 anos.

Consiste em um tumor sólido extracraniano que, em geral, tem início nas glândulas suprarrenais ou mediastino, sendo mais frequente em meninos do que meninas, no entanto, tem pouca relação genética.

Tumor de Wilms

O tumor de Wilms representa entre 5% e 10% das ocorrências de câncer em crianças, impactando principalmente aquelas na faixa dos 2 aos 3 anos. Ele afeta um ou ambos os rins.

Retinoblastoma

Comum em crianças entre 2 e 3 anos de idade, o retinoblastoma origina-se nas células que formam parte da retina. Um dos sintomas mais comuns da condição é o chamado “reflexo do olho de gato” que é quando há um brilho ocular incomum.

Essa patologia pode manifestar-se por motivos hereditários, mas também de forma esporádica.

Confira – Exame com contraste: por que ele é utilizado? Qual a sua importância?

Rabdomiossarcoma

O rabdomiossarcoma é o tipo de câncer em tecidos moles mais comum entre as crianças. Ele ocorre nas células embrionárias que dão origem à musculatura estriada esquelética ou voluntária.

Tumores Ósseos Primários

Apesar de raros, os tumores ósseos primários são a sexta incidência mais recorrente entre as crianças, sendo mais comum na adolescência. É mais comum que o câncer origine-se em algum órgão e atinja o osso posteriormente.

Entre os tipos de tumores ósseos mais comuns nas crianças estão o osteossarcoma e o Sarcoma de Ewing.

Linfomas

Todo linfoma é um tipo de câncer que afeta o sistema linfático. Ele surge quando os linfócitos, células sanguíneas relacionadas ao sistema imunológico, multiplicam-se desordenadamente, aumentando o tecido e originando o tumor.

O linfoma de Hodgkin é um tipo de câncer que afeta os gânglios, timo e outros órgãos do sistema imunológico. Ele é mais comum em grupos de 15 a 40 anos e após dos 55 anos.

Apesar disso, entre 10% e 15% das ocorrências da doença são diagnosticadas em crianças e adolescentes com menos de 16 anos. Já o linfoma não-Hodgkin é o terceiro tipo de câncer mais comum entre as crianças.

urso de pelúcia em cima de uma cama de hospital

Veja também – Aplicativo para cuidados pediátricos ajuda nas dúvidas dos pais

Sintomas e diagnóstico do câncer em crianças

O diagnóstico precoce do câncer em crianças é um importante aliado no tratamento mais adequado e com mais chances de cura. Para isso, é fundamental que os pais observem sintomas comuns da doença, como:

  • febre baixa por mais de oito dias sem causa aparente;;
  • hematomas recorrentes;
  • sangramento pelo nariz ou gengiva;
  • dores do corpo que impeçam a criança de brincar ou desenvolver atividades comuns;
  • ínguas com mais de 3 cm, de crescimento lento, duras e indolores sem motivo aparente;
  • vômito e dor de cabeça por mais de duas semanas, especialmente se os sintomas manifestarem-se pela manhã;
  • aumento abdominal, vômitos, prisão de ventre ou diarreia;
  • aumento no volume dos olhos;
  • sinais precoces de puberdade, como crescimento de pelos;
  • aumento da cabeça, principalmente se ocorrer até os 18 meses que é quando a fontanela não está completamente fechada;
  • presença de sangue na urina.

Ao encaminhar a criança ao médico com esses sintomas diferentes procedimentos podem ser solicitados com o objetivo de identificar as causas como exame de sangue, tomografia e biópsia.

No caso da necessidade de exames de imagem, a telerradiologia é um importante aliado no diagnóstico devido à experiência e especialização dos profissionais que emitem o laudo médico.

A conduta apropriada e um diagnóstico rápido são fundamentais em caso de câncer em crianças visando o início imediato do tratamento e maiores chances de cura.

Matérias Relacionadas

Receba Novidades
sobre gestão hospitalar e tendências da telerradiologia