Tomografia computadorizada: entenda tudo sobre a radiação médica!

A radiação ionizante está relacionada a um risco maior do desenvolvimento de câncer, mas as doses utilizadas na tomografia computadorizada são as menores possíveis

A tomografia computadorizada é um dos exames de imagem mais avançados disponíveis atualmente. Esta é uma técnica não invasiva que utiliza a radiação médica para diagnosticar doenças, identificar anormalidades e acompanhar tratamentos.

As primeiras máquinas que realizam esse exame foram desenvolvidas na década de 1970 e, hoje em dia, depois de muitos avanços e aprimoramentos, elas são utilizadas em diversas áreas da medicina, sendo muito importantes na rotina e em situações de emergência.

Contudo, por usar uma fonte de radiação, muitas pessoas têm dúvidas sobre a segurança da tomografia computadorizada – e a melhor forma de esclarecê-las é entendendo mais sobre como a radiação médica funciona.

Como funciona a tomografia computadorizada

O princípio básico da tomografia computadorizada é o uso dos raios X, assim como as radiografias. Porém, enquanto a radiografia obtém apenas uma imagem da região do corpo a ser estudada, a tomografia pode fazer cerca de 600 cortes ou fatias.

Dessa forma, as imagens geradas por esse exame são muito mais detalhadas, pois esses cortes são combinados por softwares de computador para fornecer uma visão multidimensional dos órgãos internos.

Para isso, o paciente deve se deitar em uma mesa de exame que desliza para dentro e para fora do tomógrafo, uma máquina de grande porte em formato de anel. Essa moldura circular se chama “Granty” e contém um tubo de raios X de um lado e um detector do outro.

tomografia computadorizada

Durante o exame, o Granty gira em torno do paciente, de forma que o feixe de raios X emitido pelo tubo passa pelo corpo e é capturado pelo detector. Porém, parte da energia dos raios é absorvida pelos tecidos.

Como músculos, ossos, ar, água, tumores etc. absorvem a energia dos raios X de forma diferente, eles chegam com diferentes intensidades ao detector.

Assim, quando os sinais capturados são enviados para o computador para serem convertidos em imagens, elas mostram o contraste entre os diferentes tipos de tecidos com bastante nitidez – que costuma ser aprimorada com o uso do contraste.

Veja mais – Contraste para tomografia: por que ele é tão temido?

A radiação médica na tomografia computadorizada é perigosa?

Os raios X são um tipo de radiação ionizante, ou seja, eles consistem em ondas eletromagnéticas cuja energia é capaz alterar a estrutura de átomos e moléculas ao promover o desprendimento dos elétrons.

Embora estejamos expostos a fontes de radiação natural proveniente dos alimentos, da água e do solo, a dose utilizada nas radiografias é mais elevada – e a dose da tomografia computadorizada é ainda maior.

Por exemplo: em uma tomografia de cabeça, a dose de radiação equivale à de 100 radiografias e corresponde à radiação absorvida do ambiente em 243 dias. Já o exame de abdômen é equivalente a 350 radiografias e a 3,3 anos de exposição natural.

Em grandes doses, acima de 100 mSv (milissievert), a radiação provoca danos nos tecidos humanos, o que leva a um risco maior de desenvolvimento de câncer. Inclusive, calcula-se que uma exposição acima de 5.000 mSv levaria à morte em poucos dias.

Porém, a dose de radiação empregada na tomografia computadorizada varia de 1,5 mSv a 6 mSv. Esses valores são bem menores do que aqueles identificados como prejudiciais, portanto a radiação médica não deve ser motivo para pânico.

Ainda assim, como a radiação ionizante é cumulativa e está associada a um maior risco de neoplasias, é necessário seguir alguns cuidados na sua utilização.

Não deixe de ver – Telemedicina x telessaúde: aprenda quais são as diferenças!

Medidas de proteção para os pacientes contra os danos da radiação

Devido ao risco para os tecidos humanos, os fabricantes dos tomógrafos estão sempre buscando formas de reduzir a dose de radiação utilizada, de forma que as máquinas modernas utilizam quantidades muito menores do que as mais antigas.

Embora a tomografia computadorizada seja bastante segura para os adultos em geral, a radiação médica oferece riscos maiores para bebês, crianças, gestantes e alguns tipos de tecido, como medula óssea, sangue, ovários, testículos, intestino e tecidos linfoides.

Dessa forma, para esses casos em especial, o médico deverá avaliar com ainda mais cuidado a real necessidade de solicitar uma tomografia, evitando-a quando for possível substituí-la por exames que não utilizem a radiação, como a ultrassonografia e a ressonância magnética.

Quando a tomografia computadorizada for indispensável, devem-se adotar medidas para reduzir a exposição, como proteger as partes do corpo mais suscetíveis (o ventre de uma gestante, por exemplo) sempre que possível.

Além disso, deve haver um estudo sobre a menor dose possível para o diagnóstico e sobre a limitação do número de varreduras a ser realizadas pela máquina, diminuindo a exposição do paciente.

Porém, antes de solicitar o exame, a principal reflexão deve ser no sentido de analisar se os benefícios oferecidos pela tomografia computadorizada são superiores aos seus riscos.

Muitas vezes, esse exame significa a possibilidade de diagnóstico em fases iniciais de diversas doenças, com destaque para o câncer, o que se reflete em tratamentos menos agressivos e maiores chances de cura – compensando a maior exposição à radiação.

tomografia computadorizada médico

Laudos a distância de tomografia computadorizada

A tomografia é um exame que oferece imagens muito nítidas do interior do corpo humano, permitindo detectar, localizar e medir tumores, verificar se ele se espalhou para outros tecidos e acompanhar a eficácia de tratamentos de câncer e infecções.

Porém, para que essas possibilidades sejam usufruídas ao máximo, é preciso que as imagens sejam analisadas por uma equipe especializada, de forma que o laudo seja extremamente preciso.

Além disso, esse exame é muito importante em casos de emergência e urgência, por exemplo, na detecção de fraturas, acidente vascular cerebral, aneurisma roto, edema cerebral, entre outros. Nesses casos, a velocidade do laudo é crucial para salvar a vida do paciente.

Essas são duas situações em que os laudos a distância oferecem muitas vantagens às clínicas e hospitais. Na DiagRad, as imagens são analisadas por uma equipe de radiologistas especialistas e subespecialistas em diversas áreas da medicina, garantindo a precisão do diagnóstico.

Além disso, a DiagRad trabalha com um sistema de plantão 24 horas, de forma que laudos urgentes de tomografia computadorizada são emitidos em até 15 minutos.

Aproveite para conhecer também as outras vantagens dos laudos a distância para melhorar a qualidade e aumentar a velocidade dos seus exames de imagem!

Matérias Relacionadas

Empresa de Telerradiologia

Receba Novidades
sobre gestão hospitalar e tendências da telerradiologia

Orçamentos

Orçamentos