Confira 5 erros que um radiologista não pode cometer ao emitir laudos a distância!

Saiba quais são os itens cruciais que devem ser evitados por profissionais de radiologia e clínicas para que os pacientes possam ter acesso a laudos mais precisos e rápidos

Apesar dos avanços da tecnologia, erros em de diagnóstico em exames por imagem ainda são comuns. Estima-se que cerca de 4% das interpretações radiológicas tenham erros de alguma espécie. Isso acontece, na maioria das vezes, por um fator essencial: a falta de informação sobre os antecedentes do paciente ou sobre a expectativa dos médicos com relação ao exame.

Para um profissional especializado que recebe as imagens em alta resolução, não é difícil fazer um diagnóstico sobre aquilo que ele vê. No entanto, a falta de uma indicação mais precisa pode fazer com que itens que, em teoria, precisariam ser destacados com maior relevância passem batidos ou ganhem importância secundária.

Pensando nisso, listamos aqui 5 erros que um radiologista não pode cometer na hora de emitir laudos a distância, visando aumentar a precisão dos resultados e evitar refações. Confira também as urgências da ortopedia que podem ser solucionadas com laudos a distância.

1 – Não obter os dados clínicos necessários do paciente

Esse é o primeiro ponto a ser observado, especialmente quando falamos de laudos a distância. Antigamente, era comum que o médico e o profissional de radiologia, responsável pelo exame em si e pelo laudo, trabalhassem na mesma clínica. Hoje, com a segmentação das funções, é comum que os laudos sejam produzidos à distância e que até mesmo os exames sejam realizados em outras localidades.

Nesse caso, há uma cadeia de informações que precisa ser estabelecida para que os laudos possam chegas às mãos dos pacientes da forma mais precisa possível. O médico deve detalhar aquilo que espera ver em um exame e essa informação deve estar disponível para o técnico que opera os equipamentos.

As impressões do técnico, somadas às orientações do médico, devem chegar também à outra ponta, no profissional que ficará responsável por elaborar os laudos a distância. Somente assim ele poderá se ater a itens específicos que, sem a devida orientação, podem não ser observados com a mesma intensidade.

2 – Evitando erros de percepção

Quando não há orientações claras sobre o que deve ser observado, o radiologista pode recair nos chamados erros de percepção. Trata-se do ato de julgar como mais importante um determinado item da imagem quando, na verdade, o foco do médico que solicitou o exame era outro ponto.

Obviamente, sem as instruções do médico muitas vezes não será possível adivinhar qual deveria ser o foco. Entretanto, há casos também em que as distrações e a não observância às instruções pode colocar os resultados a perder. Assim, certifique-se de estar munido de todas as informações necessárias e fuja de qualquer distração durante a análise das imagens.

 

Saiba mais sobre
Laudos a Distância

A DiagRad, empresa de telerradiologia, preparou informações essenciais para quem quer saber mais sobre os laudos a distância e como eles podem colaborar positivamente em diversos aspectos como: aceleração de diagnósticos, rapidez em laudos, saúde e tecnologia. Descubra como esse universo pode ser útil!

Saber mais

3 – Evite o fechamento prematuro

Outro aspecto comum que pode resultar em erros nos laudos é o chamado fechamento prematuro. Isso acontece quando o profissional de radiologia bate o olho de primeira em um determinado ponto e se detém a analisa-lo, sem perceber que ele não é o mais importante de todo o quadro que se apresenta.

Isso faz com que os exames precisem ser refeitos para que se possa obter mais detalhes sobre um ponto que não foi laudado. Esses erros se tornam mais frequentes ainda quando as observações do médico ou do técnico de radiologia responsável pelas imagens não se fazem presentes. Ou seja, redobre os cuidados nessas ocasiões. Confira quais são as perguntas necessárias para contratar laudos a distância.

4 – Fuja do efeito moldura

Por outro lado, as orientações do médico por si só, se forem seguidas como a única fonte absoluta, podem gerar um outro erro bastante comum: o chamado efeito moldura. Isso ocorre quando o profissional responsável pelo laudo foca em apenas uma hipótese e deixa de analisar com clareza outros itens da imagem.

Sendo assim, é importante ressaltar que as orientações do médico compõem apenas uma parte do quadro. Elas devem ser levadas em consideração, mas se o profissional responsável pelo laudo perceber outras alterações dignas de menção, é de suma importância que ele as comunique. Lembre-se que o laudo é a peça mais importante que será produzida para o diagnóstico, por isso em alguns casos mais de uma possibilidade deve ser considerada.

5 – Não observar dados conflitantes

Outro problema frequente que pode resultar em erros de avaliação em um laudo é o chamado viés de confirmação. Nesse caso, os achados que confirmam uma hipótese são supervalorizados e os dados conflitantes são menosprezados ou ignorados. Isso faz com que os resultados apresentados nem sempre sejam os mais precisos.

Em outras palavras, há casos em que tudo leva a crer que o laudo aponte para uma determinada avaliação, mas quando pesquisado e confrontado com outras informações pode se chegar a uma conclusão completamente diferente. O importante, portanto, é não se deixar levar pelas primeiras impressões e pesquisar a fundo todas as possibilidades. Veja tudo o que você precisa saber para contratar uma empresa de laudos a distância.

Casos mais graves merecem um alerta

Por fim, vale lembrar que o papel do profissional responsável por confeccionar um laudo é de suma importância. Muitas vezes, ele é o primeiro portador da notícia relacionada a gravidade de um caso. Assim, é válido que laudos com resultados com esse sejam acompanhados de um alerta ao médico de que o contato com o paciente o quanto antes se faz necessário.

Matérias Relacionadas

Empresa de Telerradiologia

Receba Novidades
sobre gestão hospitalar e tendências da telerradiologia

Orçamentos

Orçamentos