Proptose ocular após TCE – Caso clínico Masculino

Um paciente do sexo masculino apresentava proptose ocular após ter sofrido um traumatismo crânio-encefálico. A proptose consiste no deslocamento repentino do bulbo ocular, que se projeta para uma posição mais anterior.

No exame de imagem, foi observado um aumento do seio cavernoso direito associado com uma dilatação da veia oftálmica superior direita. No corte coronal, foi possível observar também um edema da musculatura extrínseca ocular e uma leve densificação da gordura intraconal.

A avaliação clínica do paciente revelou exoftalmia pulsátil com sopro. edema/eritema orbitário, redução da acuidade visual e cefaleia.

 

Diagnóstico de Proptose ocular

De posse dos exames de imagem, os analistas especializados na emissão de laudos a distância chegaram ao diagnóstico de fístula carótido-cavernosa.

Proptose-ocular-caso-clinico

Fístula Carótido-Cavernosa

Essa condição consiste em uma comunicação (conexão) entre a circulação arterial proveniente do sistema carotídeo com o sistema venoso por meio do seio cavernoso. A fístula carótido-cavernosa pode ser classificada em dois tipos: direta e indireta.

A fístula direta consiste na comunicação direta entre o segmento intracavernoso da artéria carótida interna com o seio cavernoso. A maioria dos casos é decorrente de traumatismo crânio-encefálico, acontecendo com maior frequência em pacientes jovens do sexo masculino (que é o caso do paciente deste caso clínico).

A fístula indireta, por sua vez, consiste comunicação entre ramos da artéria carótida (interna ou externa) com o seio cavernoso. Essa condição pode ocorrer após revascularização de um seio cavernoso trombosado. A maior parte das ocorrências demonstra uma predileção por pacientes do sexo feminino no período da pós-menopausa, com evolução mais insidiosa.

 

Diagnósticos diferenciais

Os diagnósticos diferenciais para o caso clínico apresentado por este paciente consistiram em três possibilidades:

  • Doença de Graves: consiste na exoftalmia bilateral decorrente da doença de Graves. Essa doença se caracteriza pelo aumento da musculatura ocular extrínseca bilateral, poupando os tendões de inserção dos músculos. Na maior parte dos casos, o paciente não sente dor.
  • Pseudotumor Orbitário: trata-se de uma doença inflamatória idiopática geralmente unilateral que apresente uma evolução rápida. É uma condição que provoca exoftalmia, dor ocular e diplopia. O pseudotumor pode causar aumento da musculatura extrínseca ocular, envolvendo inclusive os tendões de inserção.
  • Síndrome de Tolosa-Hunt: é definida por uma oftalmoplegia dolorosa decorrente de processo inflamatório ao redor do seio cavernoso. Trata-se de um diagnóstico de exclusão.

 

Diagnósticos mais precisos

Nem todos os exames realizados são de rotina ou apresentam características simples de serem identificadas. A literatura médica é muito ampla, de forma que para um profissional generalista, com é o caso daqueles que atuam em hospitais e clínicas, a identificação de nuances mais específicas de um caso pode não ser tão clara quanto para especialistas em telemedicina.

É justamente nesse contexto que a telerradiologia, um dos ramos da medicina que mais se desenvolvem no Brasil na atualidade, entra em cena para proporcionar diagnósticos com maior qualidade em um menor tempo de confecção. O grande mérito aqui fica por conta da metodologia e da infraestrutura montada para elaborar diagnósticos mais precisos.

 

caso-clinico-proptose-ocular

>> Veja mais sobre o caso clínico de Proptose ocular feito pela DiagRad <<

Como a telerradiologia funciona no diagnóstico de proptose ocular?

O sistema de telerradiologia permite que mesmo clínicas com menos recursos e localizadas em regiões mais distantes do país tenham acesso a laudos a distância dos pacientes sem a necessidade de investir grandes quantias. Aliás, um dos pontos fortes desse sistema é a capacidade que ele tem de reduzir custos na empresa, permitindo ampliação na demanda de atendimento sem que haja perda de qualidade.

Os exames clínicos seguem sendo feitos da mesma forma, mas ao invés de salvar as imagens em um servidor local, o responsável por ele as envia para uma central de telerradiologia, via internet. Na central, dezenas de profissionais especializados estarão de prontidão para se debruçar sobre as imagens e entregar um laudo preciso no menor tempo possível. Na maioria dos casos, no mesmo dia ou até mesmo em menos de uma hora. Sendo assim, a telerradiologia pode contribuir para acelerar o diagnóstico de proptose ocular e de outras doenças.

 

Laudos feitos por especialistas

Diferente do que acontece em clínicas e hospitais, os laudos em uma central de telerradiologia como a DiagRad são feitos por especialistas e não por profissionais mais generalistas. Dessa forma, por exemplo, um médico especializado em exames de cabeça e pescoço tem mais chances de encontrar anomalias em imagens do que alguém que pode não estar tão familiarizado com o tema.

Essa característica de dividir o quadro de especialistas em “subespecialistas”, faz com que seja possível obter diagnósticos como esse do caso acima, com precisão e qualidade e em um menor tempo. Com a adoção dessa metodologia, cai também o índice de refação, ou seja, aqueles exames que precisam ser refeitos pelo fato de os resultados não serem esclarecedores o suficiente.

Matérias Relacionadas

Empresa de Telerradiologia

Orçamentos

Eu gostaria de receber as novidades da DiagRad.

Sua mensagem foi enviada.
Orçamentos