Como fazer uma leitura de eletrocardiograma de maneira correta?

Saiba quais critérios avaliar na leitura do eletrocardiograma e conheça os parâmetros regulares de cada derivação.

O eletrocardiograma, ou ECG, é um importante exame que auxilia na identificação, muitas vezes precoce, de doenças cardiovasculares. Para um bom diagnóstico, no entanto, é essencial que a leitura de eletrocardiograma seja correta e considerando as particularidades do exame.

O médico radiologista responsável pela leitura de eletrocardiograma deve ter em mente que o exame pode ser solicitado para rotina médica a partir dos 30 anos. Nos homens, a partir dos 45 o exame torna-se essencial principalmente se houver quadros de doenças cardiovasculares na família.

Portanto, a solicitação do ECG pode ser realizada tanto para atender uma demanda de rotina quanto uma emergência, sendo essencial que o médico mantenha-se atento em todas as variáveis para realizar uma leitura de eletrocardiograma mais assertiva.

Como funciona o ECG?

O ECG consiste em um registro gráfico da atividade elétrica do coração. Ele apresenta uma sucessão de ciclos cardíacos (P-QRS-ST-T-U) com diferentes desenhos que representam 12 derivações da atividade elétrica do miocárdio sendo:

  • seis no plano frontal das extremidades colhidas nos membros;
  • seis no plano horizontal presentes no precórdio.

Antes de iniciar a leitura do eletrocardiograma é essencial que o médico verifique se o exame tem qualidade, avaliando a precisão e eficiência desde a calibração até a realização em si. Alguns critérios usados para confirmar a qualidade do exame são:

  • verifique a velocidade e a amplitude do ECG, sendo que a primeira deve manter-se em 25 mm/s, enquanto a segunda deve ficar em 1 mV por 10 mm;
  • observe se é possível identificar as 12 derivações do exame, avaliando-o de forma mais completa.

Se não houver clareza na leitura dessas informações no eletrocardiograma é recomendado que o exame seja realizado novamente para evitar problemas no diagnóstico e verifique-se o aparelho de ECG.

Como fazer a leitura de eletrocardiograma?

Caso o exame apresente as características recomendadas para uma boa leitura, o profissional deve conhecer o passo a passo de como fazê-la com mais qualidade, além de considerar as particularidades e sintomas apresentados pelo paciente.

A imagem mostra um eletrocardiograma

Frequência cardíaca

A leitura de eletrocardiograma tem início com a identificação da frequência cardíaca. Esse dado auxilia na identificação de taquicardias ou bradicardias, além disso revela a presença de patologias relacionadas ao batimento cardíaco e a gravidade da condição.

A frequência cardíaca é medida usando a regra 300/150/100/75/60/50/30/20/10. Cada minuto equivale a 300 “quadrados” no ECG, sendo preciso calcular quantos exitem entre um topo e outro da onda R. Quando há 1 quadradinho em cada onda significa que a frequência cardíaca é de 300 BPM.

Ritmo cardíaco

Depois de verificar a frequência cardíaca é o momento de calcular se o ritmo cardíaco está dentro dos parâmetros esperados. Essa análise deve ser realizada considerando o espaço entre os quadrinhos ocupados no exame.

O ritmo cardíaco deve ser verificado consultando a distância entre os complexos QRS são semelhantes e se a onda P é gerada no nó sinusal.

Cálculo do intervalo PR

Refere-se ao cálculo entre a linha que liga o fim da onda P ao início do QRS e do intervalo QT (sístole elétrica ventricular). Em pacientes em situações dentro dos parâmetros, o intervalo PR deve manter-se entre 0,12 s e 0,20 s. Já o intervalo QT pode variar entre 350 ms e 450 ms.

Eixo elétrico

Por fim, o médico deverá fazer a leitura do eixo elétrico, verificando se ocorrem alterações no segmento ST (consiste no período de tempo em que não há atividade entre a despolarização e repolarização do ventrículo). Os parâmetros usados nessa avaliação são os seguintes:

  • de -30° a 90° o exame está dentro do esperado e apresenta eixo normal;
  • entre -30° e -90° significa que o eixo está desviado à esquerda;
  • de 90° a 180° quando o eixo é desviado à direita;
  • entre -90° e -180° quando ocorre o desvio extremo do eixo elétrico.

A partir dessa análise será possível determinar se há a presença de alterações no eletrocardiograma e assim encaminhar o paciente para um tratamento mais acertado de acordo com o quadro identificado.

Quais os erros mais comuns em eletrocardiogramas?

Assim como outros exames, o ECG e a leitura de eletrocardiograma são passíveis de diversos erros no processo que podem prejudicar o diagnóstico correto do paciente e assim interferir negativamente no tratamento. Entre os erros mais frequentes podem ser destacados:

  • interferência eletromagnética, como devido à presença de um celular próximo do paciente no momento do exame;
  • interferências musculares causadas por movimentos de contração ou relaxamento;
  • interferência do próprio eletrodo em contato com a pele;
  • problemas no equipamento, como defeitos ou limitações técnicas;
  • erros humanos, que podem ser causados no momento de realização do exame e também na leitura de eletrocardiograma;
  • nervosismo do paciente, causando alterações no resultado do ECG.

Portanto, devido a esses diversos problemas que podem ocorrer na realização do eletrocardiograma é essencial que o profissional responsável tenha domínio sobre o aparelho e controle da situação.

O médico responsável pela leitura de eletrocardiograma também precisa ter os conhecimentos técnicos esperados, além de conhecer o quadro do paciente antes de emitir um diagnóstico final, aumentando as chances de uma leitura correta e que viabilize um melhor encaminhamento para o paciente.

A Diagrad é especializada em laudos a distância e pode ajudar a sua empresa com os melhores diagnósticos. Conte sempre conosco!

 

 

Evite erros nos diagnosticos dos seus pacientes com este material gratuito

Receba Novidades
sobre gestão hospitalar e tendências da telerradiologia

Orçamentos

Orçamentos