A radiologia intervencionista garante tratamentos mais rápidos e eficazes.

A Radiologia Intervencionista, também conhecida como Radiologia Vascular ou Cirúrgica, é uma especialidade da medicina, que utiliza procedimentos minimamente invasivos guiados por imagem para diagnosticar e tratar doenças em quase todos os sistemas.

Confira tudo sobre a Radiologia Intervencionista:

A Radiologia Intervencionista utiliza os Raios-X, Tomografia Computadorizada, Ressonância Magnética, Ultrassonografia, entre outras modalidades de diagnósticos por imagem para obter imagens que são utilizadas para direcionar instrumentos intervencionistas por várias regiões do corpo.

Em muitos procedimentos ao invés de realizar cirurgia, é utilizada a Radiologia Intervencionista. Com isso, o trauma físico para o pacientes é minimizado, por exemplo, intervenções periféricas podem reduzir as taxas de infecção e tempo de recuperação, bem como diminuir o tempo de internação.

História da Radiologia Intevencionista

O início da história da Radiologia Intervencionista começou na década de 1920 com o desenvolvimento da técnica da angiografia, que constitui a base para qualquer intervenção vascular.

Primeiro, a técnica de angiografia foi desenvolvida em 1927 pelo médico português e neurologista Egas Moniz da Universidade de Lisboa para fornecer angiografia cerebral radiografia contrastada em vasos, a fim de diagnosticar os vários tipos de doenças nervosas, tais como tumores, doença arterial e malformações arteriovenosas.

Ele é geralmente reconhecido como um dos pioneiros neste campo. Moniz realizou a primeira angiografia cerebral em Lisboa, em 1927, e Reynaldo Cid Santos realizou a primeira aortograma na mesma cidade em 1929. Com a introdução da técnica de Seldinger em 1953, o procedimento tornou-se marcadamente mais seguro.

angiografia cerebral

 

Mais tarde foi pioneiro da medicina moderna com a invenção da angioplastia e o stent de cateter, que antes eram usados para tratar a doença arterial periférica.

Usando um cateter para abrir a artéria obstruída, o procedimento autorizado por uma mulher 82 anos de idade, que se recusou a cirurgia de amputação para manter o pé esquerdo dela devastada pela gangrena. Ela deixou o hospital andando.

O crescimento da radiologia intervencionista foi alimentado por laços entre radiologistas intervencionistas como Charles Dotter e fabricantes de dispositivos inovadores como Bill Cook. Charles Dotter é conhecido como o “pai da radiologia intervencionista” pelo pioneirismo esta técnica.

Alexander Margulis cunhou o termo “intervencionista” para estas novas técnicas, minimamente invasivas. Ele enfatizou que, para continuar a estar na vanguarda da inovação, radiologistas intervencionistas deveriam possuir uma formação especial, conhecimento clínico, habilidade técnica, capacidade de cuidar de pacientes e colaborar estreitamente com os cirurgiões e culturalmente de medicina interna.

O desenvolvimento de stents começou lentamente. Em 1969, Dotter concebeu a idéia de stents expansíveis com uma mola de bobina intra-arterial. Os primeiros stents desenvolvidos por Dotter e Andrew Craig eram feitos de nitinol.

Gianturco introduziu seu auto-expansível stent de Z. Hans Wallsten introduziu um malha auto-expansível stent, Ernst Strecker um stent de tântalo de malha e Julio Palmaz cirou um stent expansível por balão, que mais tarde foi aperfeiçoaram e introduziram a prática clínica. Implante de stent e angioplastia coronariana sem dúvida revolucionaram a prática da cardiologia.

 

Modalidades da Radiologia Intervencionista

As modalidades comuns da radiologia intervencionista incluem fluoroscopia, tomografia computadorizada (TC), ultrassonografia (US) e ressonância magnética (MRI) bem como a radiografia simples:

A Fluoroscopia e Tomografia Computadorizada usam radiação ionizante que pode ser potencialmente prejudicial para o paciente e para a equipe de profissionais, incluindo o Profissional da Radiologia. No entanto, ambos os métodos têm as vantagens de ser rápidos e precisos.

>> Veja também como a tomografia computadorizada pode salvar vidas <<

O Ultrassom é frequentemente usado para guiar agulhas durante os procedimentos de acesso e drenagem vasculares. Ultrassom oferece feedback em tempo real e é barato. Ultrassom sofre de penetração limitada e dificuldade de visualização, agulhas, cateteres e fios-guia.

Ressonância magnética fornece contraste tecido superior, à custa de ser caros e que requer instrumentos especializados que não irão interagir com os campos magnéticos presentes no volume de imagens.

Matérias Relacionadas

Empresa de Telerradiologia

Receba Novidades
sobre gestão hospitalar e tendências da telerradiologia

Orçamentos

Orçamentos