Estudo de caso de Microcefalia e Zika Vírus

Entenda o caso clínico realizado pela DiagRad por meio da telerradiologia em paciente recém nascida feminina de 2 meses, procedente de Pernambuco, com microcefalia.

A microcefalia consiste num crescimento da cabeça menor do que o esperado para a faixa etária. Durante o desenvolvimento normal, conforme o cérebro cresce, ele promove o remodelamento do crânio, que acaba aumentando para acomodar as estruturas encefálicas.

O estudo de caso de microcefalia, embora não tenha a confirmação sorológica, apresentou epidemia positiva.  E, nos casos de microcefalia, observa-se um déficit no crescimento do cérebro, que culmina com um menor crescimento da calota craniana, e consequentemente um perímetro cefálico menor que o esperado.

Microcefalia e Zika Vírus

Em 28 de novembro de 2015, o Ministério da Saúde confirmou a associação entre o zika vírus e a microcefalia.

De acordo com o boletim epidemiológico emitido pelo Ministério da Saúde em 15 de dezembro de 2015, foram registrados 2.401 casos de microcefalia relacionados a zika vírus e 29 óbitos. Os casos de microcefalia se concentram no Nordeste mas têm se espalhado para o resto do país.

 

Diagnóstico da Microcefalia

Os casos de microcefalia por ocorrer por causas congênitas ou pós parto. Dentre elas, citamos as infecções, substância teratogênicas, doenças genéticas, etc. O diagnóstico da microcefalia é clínico e pode ser feito durante o exame físico do recém-nascido com o uso de uma fita métrica. Entretanto, este diagnóstico também pode ser feito antes do parto através da ultrassonografia.

 

perimetro cefalico

 

A DiagRad e a Microcefalia

A DiagRad está localizada em São Paulo – SP, mas presta serviço de laudos à distância para todo o Brasil. Por isso, nossa equipe de neurorradiologistas tem vivenciado essa nova enfermidade que acomete fetos e recém-nascidos.

Todos os casos que recebemos eram provenientes do Nordeste. Embora não tenhamos a confirmação sorológica, a epidemiologia era positiva em todos eles.

Aspectos de imagem comuns aos casos que analisamos:

  • Dilatação dos ventrículos laterais e III ventrículo, com afilamento da espessura do parênquima cerebral;
  • Sulcação cortical pobre caracterizando padrão de lisencefalia;
  • Calcificações nos núcleos da base e justacorticais, em maior quantidade na alta convexidade.
  • Estruturas da fossa posterior de aspecto anatômico preservado.

Em relação às demais infecções congênitas do grupo TORCH, destacamos o importante afilamento do parênquima cerebral e as calcificações justacorticais que predominando na alta convexidade.

 

Dr. Paulo Kuriki – Neurorradiologista

 

Bibliografia

Protocolo de Vigilância e Resposta à Ocorrência de microcefalia relacionada à infecção pelo vírus Zika (link).

Boletim Epidemiológico da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (link).

Contratar Laudos à Distância

Orçamentos

Por favor, preencha este campo.
Por favor, preencha este campo.
Por favor, preencha este campo.
Por favor, preencha este campo.
Por favor, preencha este campo.

Eu gostaria de receber as novidades da DiagRad.

Sua mensagem foi enviada.
Orçamentos